Pesquisa aponta que soteropolitanos pretendem andar mais de bike em 2022

Ana Silva
Ana Silva
3 min. para leitura
Pesquisa aponta que soteropolitanos pretendem andar mais de bike em 2022

O Movimento Salvador Vai de Bike (MSVB) divulgou, na segunda-feira (24), um levantamento realizado pela Tembici, empresa operadora do Sistema Bike Salvador, que trouxe dados relevantes que reforçam o aumento do interesse e da aderência das pessoas ao uso da bicicleta, na capital baiana. A pesquisa mostrou que 61% dos entrevistados passaram a pedalar mais desde o início da pandemia e 76% possuem a pretensão de utilizar mais o modal em 2022.

Mudanças na rotina, alterações climáticas, alta dos combustíveis, importância de investir na qualidade de vida, além de diversos fatores de espaço público – como congestionamento -, são motivos que têm levado as pessoas a repensarem os próprios hábitos e gastos mensais, sendo o transporte um custo relevante nesta composição.

Segundo a pesquisa, 40% dos soteropolitanos acreditam que em 2022 as bikes serão o meio de transporte mais utilizado. Os cidadãos também consideram que pedalar pode representar uma economia mensal de até 90% nos gastos com transporte.

“Salvador vem se preparando e atuando fortemente, nos últimos anos, para se tornar uma cidade cada vez mais amiga das bicicletas. Com uma sociedade mais adaptada ao trânsito e circulação delas por toda parte, com um sistema cicloviário atingindo novos locais e, acima de tudo, incentivando através de diversas iniciativas o uso desse que é o transporte mais sustentável que existe, econômica, ambiental e socialmente falando.  Acreditamos fortemente que a bike é um transporte do presente e ainda mais do futuro”, destaca o coordenador do Movimento Salvador Vai de Bike, Isaac Edington.

“Apesar do crescimento de adeptos da bike como meio de transporte, ainda temos uma cultura muito forte de uso do automóvel particular. Lançamos recentemente uma ferramenta que calcula e compara o gasto de todos os modais com base nas distâncias. Um trajeto diário de 8 km, por exemplo, sai por mais de R$1.046 no mês, quando feito de carro, enquanto no transporte público o gasto é em média R$230, e com a bike compartilhada fica em torno de R$29,90, a depender da cidade. A ferramenta é um convite para que as pessoas repensem seus hábitos de deslocamento”, explica Mauricio Villar, CEO e co-fundador da Tembici.

Metodologia – A Tembici realizou a pesquisa em dezembro de 2021. As respostas foram coletadas de forma on-line. No total foram mais de mil respondentes dos estados da Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Espírito Santo.

Fotos: Jefferson Peixoto/Secom



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

MARCADO:
Compartilhe este artigo
Por Ana Silva
Seguir:
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)