Vacina BCG ainda é indispensável para os recém-nascidos?

Ana Silva
Ana Silva
6 min. para leitura
Vacina BCG ainda é indispensável para os recém-nascidos?

Pais com filhos recém-nascidos devem ficar de olho no calendário vacinal para prevenir o bebê das formas graves de tuberculose. Essa doença pode ser transmitida por via respiratória, pela tosse, fala ou espirro de uma pessoa com tuberculose bacilífera (que ainda não está tratando e está eliminando o bacilo) e atingir diversos órgãos, principalmente os pulmões.

A boa notícia é que a enfermidade tem tratamento, cura e pode ser prevenida em suas formas mais graves com a vacina BCG (Bacilo Calmette-Guérin).

Vacina BCG e recém-nascidos: qual é a relação?

A vacina BCG é recomendada em dose única para recém-nascidos, mas pode ser administrada em crianças de até 4 anos, 11 meses e 29 dias que não se imunizaram anteriormente. É importante lembrar que é feita uma única vez, mesmo que não apresente a marquinha característica.

Por que vacinar os filhos é importante?

Quem não quer ver o seu bebê livre de doenças? Mais do que uma questão de saúde e zelo, a imunização infantil é um direito da criança, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Se os pais deixarem de aplicar as vacinas em seus filhos, por exemplo, correm risco de receber sanções, como: suspensão de benefícios do governo, multas, entre outros.

Para evitar esses problemas, os pais devem sempre ficar de olho no calendário vacinal do Ministério da Saúde, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) ou da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Queda na taxa de cobertura vacinal em 2020

O ano de 2020 não trouxe bons resultados em relação à meta de cobertura de todas as vacinas infantis oferecidas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI), do Ministério da Saúde.

O ideal era fechar o ano com a cobertura vacinal acima de 90%, mas essa taxa chegou a 75% apenas. O resultado abaixo da meta é preocupante, porque pode abrir espaço para o ressurgimento de doenças que já foram erradicadas no Brasil, como a poliomielite infantil.

Como essa queda vem acontecendo há mais de 5 anos, a pandemia é apenas um dos motivos que podem explicar o não atingimento da meta.

No caso da vacina BCG, especificamente, a cobertura vacinal foi de 73,51% em 2020. Essa

taxa foi bem menor do que a dos anos anteriores e abaixo dos 90% considerados ideais.

Aumento do número de mortes por tuberculose

O relatório global divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2021, mostrou que o número de óbitos causados pela tuberculose aumentou pela primeira vez em mais de 10 anos. Em 2020, cerca de 1,5 milhão de pessoas morreram por causa dessa doença no mundo todo.

No Brasil, foram 66.819 casos de tuberculose e 4.532 mortes por causa dessa doença em 2020. O cenário mostra não só a importância da vacina como também a informação sobre os sinais e sintomas que devemos estar atentos para suspeitar da doença.

E o que é a tuberculose?

Causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis (bacilo de Koch), a tuberculose é uma doença infecciosa e pode ser transmitida durante a fala, espirro ou tosse de pessoas infectadas bacilíferas.

Essa enfermidade atinge não só os pulmões, como podem comprometer outros órgãos, a exemplo dos ossos, rins e as membranas que revestem o cérebro (chamadas de meninges), levando a meningite tuberculosa.

Alguns dos sinais e sintomas são: tosse (por mais de 2 semanas), febre vespertina, falta de ar, dor no peito, emagrecimento, sudorese noturna e fraqueza.

Caso a pessoa apresente os sinais característicos da tuberculose, o profissional da área da saúde pode solicitar alguns exames, como: análise do escarro por meio do exame de análise molecular (RT-PCR), que confirma o diagnóstico; teste de Mantoux (PPD ou prova tuberculínica); e a radiografia do pulmão, exames importantes na investigação diagnóstica

Uma vez que a pessoa é diagnosticada com a doença, o tratamento é feito com antibióticos específicos por tempo prolongado, podendo variar de 6 a 12 meses, dependendo do local de acometimento do bacilo.  Se ele for feito de forma correta, a pessoa pode ser curada e, com isso, reduzir a cadeia de transmissão

Vacinar o seu bebê com a BCG é indispensável

Uma das formas mais efetivas de prevenir as formas graves de tuberculose, como a meningite tuberculosa e a tuberculose miliar (que espalha pelo corpo), é aplicar a dose da vacina BCG no bebê, antes mesmo que ele tenha contato com o bacilo. Idealmente logo ao nascimento.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo