Tecnologia de celulose e papel se expande para a nova indústria têxtil

Ana Silva
Ana Silva
3 min. para leitura
Tecnologia de celulose e papel se expande para a nova indústria têxtil

A indústria têxtil está cada vez mais interessada em matérias-primas à base de celulose, que tornam a cadeia mais sustentável e propícia a reciclagem de produtos. A confecção de tecidos é a terceira maior indústria manufatureira do mundo e está em rápida ascensão em todo o mundo. Na União Europeia, por exemplo, há um interesse crescente em têxteis à base de celulose e fibras recicladas, à medida que o comportamento do consumidor tem mudado. Por isso, as marcas de moda enfrentam uma enorme pressão para produzir produtos eco-friendly.

Como parceira de tecnologia de processo, serviços e automação para a produção de fibra têxtil à base de celulose e à base de tecido reciclado, a Valmet, líder global no fornecimento e desenvolvimento de tecnologias, automação e serviços para os segmentos de celulose, papel e energia, vê um potencial significativo de negócios na indústria têxtil.

O uso de tecidos sustentáveis também está bem alinhado com a missão da Valmet de converter recursos renováveis em resultados sustentáveis. Na reciclagem têxtil, o potencial está atualmente se concentrando fortemente no mercado europeu, onde a União Europeia planeja interromper os aterros têxteis até 2025, e está pressionando cada vez mais por maior reciclagem de roupas.

Grandes projetos

Em 2021, a Valmet anunciou dois grandes projetos na indústria têxtil. A empresa entregará os principais equipamentos para a planta de reciclagem têxtil da Renewcell, na Suécia, além de implantar a tecnologia de secagem para a fábrica de fibras têxteis da joint venture Spinnova-Suzano.

“A maior parte dos resíduos têxteis no passado foi para aterros sanitários, e até mesmo o tecido reciclado foi usado em uma aplicação de baixo valor agregado – por exemplo, como enchimento de móveis. A tecnologia da Renewcell é resultado de um amplo desenvolvimento de produtos e traz um novo produto de celulose solúvel para o mercado têxtil. A planta utiliza as tecnologiasde preparação de masa, branqueamento e secagem da Valmet. Projetos como esse oferecerão novas oportunidades em toda a cadeia de valor”, diz o vice-presidente de negócios de processamento de fibras da Valmet, Rickard Andersson.

A fábrica da Spinnova- Suzano produzirá fibra têxtil a partir de celulose ou fluxos de resíduos sem produtos químicos nocivos, com uso e emissões mínimas de água e sem desperdícios. “Existe um grande potencial para as tecnologias e experiência exclusivas da Valmet nos novos processos têxteis emergentes de base biológica. A colaboração com a Spinnova é um excelente exemplo do nosso forte foco na criação de inovações tecnológicas e como podemos criar novas oportunidades na indústria de fibras. E estamos constantemente desenvolvendo novos produtos e tecnologias”, afirma Jari Vähäpesola, presidente da linha de negócios de papel da Valmet.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo