Teatro Feluma recebe temporada do espetáculo “Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos”

Angelo Peterson
Angelo Peterson
9 min. para leitura
Teatro Feluma recebe temporada do espetáculo "Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos"

Uma montagem teatral criada com o objetivo de refletir, provocar discussões e buscar respostas para os dilemas contemporâneos. Esta é a proposta do espetáculo “Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos”, do Grupo Teatral Encena, que pode ser conferida até 18 de setembro no Teatro Feluma. A montagem fez sua estreia oficial no CCBB-BH e agora conta com uma nova temporada na cidade.

 

A dramaturgia teve como ponto de partida e eixo central o texto da premiada Silvia Gomez. O processo contou também com a colaboração do diretor Wilson Oliveira e da Assistente de direção Adélia Carvalho, que fizeram a junção e a adaptação de duas versões diferentes do conteúdo inicia. Escrito durante os primeiros meses de isolamento social, o enredo trata sobre as angústias deste período. A autora começou a escrever e também a colecionar algumas frases que ia ouvindo de outras pessoas. Esse material foi sendo reunido e deu origem a um acervo, que acabou sendo transformado nos manuscritos.

 

A primeira versão chegou a participar da mostra Cenas do Confinamento/Escenas del Confinamiento – Leituras Dramáticas Virtuais, em 2020, reunindo artistas brasileiros e de países como Argentina, Colômbia, Espanha e Peru. “Sempre acompanhamos a carreira da Silvia Gomez com muita atenção. Já tínhamos assistido montagens anteriores de textos dela. E quando nos deparamos com este, extremamente contemporâneo, que inclusive já tinha sido publicado até fora do país, pensamos na possibilidade de levá-lo para o teatro”, aponta o diretor e fundador do Grupo Teatral Encena, Wilson Oliveira.

 

A montagem acompanha a trajetória de quatro amigos que se reencontram durante um período crucial: a morte de uma amiga em comum. Esse luto coletivo faz com que eles se aproximem ainda mais uns dos outros. A partir de uma série de encontros regulares, que funcionam como uma espécie de catarse e de terapia coletiva, cada um vai tendo a oportunidade de falar, compartilhando com os demais suas angústias, medos e os sentimentos mais sinceros com relação a tudo que estão vivenciando. O espetáculo é uma reflexão importante sobre a relação entre a vida e a morte, os tormentos e as inseguranças da atualidade. Além disso, exalta a beleza dos encontros, das amizades e das conexões verdadeiras que estabelecemos ao longo da vida.

 

“São reflexões que giram em torno da metáfora do título ‘Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos’, uma vez que estabelecem uma conexão com a imagem e com a necessidade do falar, remetendo à ideia e à metáfora da coleção. Ao falar, na progressão dos encontros, as frases borbulham cada vez mais os corpos ali presentes. Quando falamos, fervilhamos. Porque estamos vivos!”, conclui a autora Silvia Gomez.

 

O enredo explora temas atuais, com foco nos impactos sociais. No elenco, destaque para os veteranos Gustavo Werneck, que está no grupo desde a primeira montagem (1984) e Christiane Antuña, que integra a companhia desde 1994. A atriz Raquel Lauar começou a trabalhar com o grupo em 2010, no espetáculo “Nossa Cidade”. Já o ator Arthur Barbosa foi integrado ao projeto logo depois de concluir o Curso de Formação Artística  do Palácio das Artes, o Cefart, trazendo um frescor para a cena, enquanto contribui para tirar o grupo de um possível lugar comum em função do forte entrosamento entre os demais integrantes. “Essa sinergia permite que a criação de um ambiente de cumplicidade onde um está sendo colaborando com o processo criativo do outro. Como nenhum dos atores sai de cena durante o espetáculo, essa interação é fundamental”, explica o diretor.

 

“Essas inquietações que vivenciamos durante o período de pandemia, que infelizmente ainda não chegou ao fim, influenciam o nosso processo de escuta, trazendo uma série de novas dificuldades para os relacionamentos humanos. Uma delas se dá em virtude do avanço das interações por meios digitais, que facilitam o contato, mas em contrapartida, trazem como consequência direta uma dificuldade na escuta, comprometendo a compreensão dos signos e das mensagens, além de estimular uma valorização quase que excessiva da imagem, descartando todo o conteúdo e o contexto. E isso gera tensão, adoecimento e até provoca uma visão muito distorcida de uma realidade muito próxima aos olhos. Por este motivo, acredito que este texto traz reflexões extremamente necessárias para este momento” destaca o diretor Wilson de Oliveira.

 

Grupo Teatral Encena

 O Grupo Teatral Encena surgiu em 1984, no fim da ditadura militar, e se tornou uma das mais expressivas companhias teatrais de Belo Horizonte. Encabeçado pelo diretor Wilson de Oliveira, sua pesquisa é ligada a temas urbanos e relações de poder, também debatendo história social e política brasileira. Com espetáculos consagrados como “O beijo no asfalto” (1994), “Eu te amo ditadura” (1994) e “O Tempo e os Conways” (2005), o grupo revelou nomes expressivos da cena artística mineira como Luiz Arthur, Yara de Novaes e Fernando Ernesto. Atualmente conta, além de artistas da sua formação original, com jovens atores e atrizes convidados a cada nova produção.

 

Silvia Gomez

Natural de Belo Horizonte, Silvia Gomez é jornalista, roteirista e dramaturga, e é hoje um dos nomes mais atuantes da cena teatral contemporânea. De 2003 a 2011, integrou o círculo de dramaturgia do Centro de Pesquisas Teatrais (CTP-SESC), dirigido por Antunes Filho. É autora de textos como “Mantenha fora do alcance do bebê” (ganhadora dos prêmios APCA – Associação Paulista de Críticos de Arte, na categoria de melhor dramaturgia, e Aplauso Brasil, em 2015) e “Neste mundo louco, nesta noite brilhante” (indicação ao Prêmio Shell paulistano, na categoria de melhor dramaturgia, em 2019), entre outras. Suas peças foram traduzidas para o espanhol, francês, sueco, alemão, inglês, italiano e mandarim, tendo sido encenadas e lidas em países como Bolívia, México, Inglaterra, Espanha, Escócia e Portugal. O espetáculo “A árvore” foi também apresentado no Festival Mujeres en Escena por la Paz, na Colômbia, em 2021, ano de sua estreia.

 

Ficha Técnica

Pequena Coleção de Frases em Tempo de Fundos Pensamentos

Dramaturgia:  Silvia Gomez
Direção: Wilson Oliveira
Elenco:  Christiane Antuña, Gustavo Werneck, Raquel Lauar e Arthur Barbosa
Dramaturgistas:  Adélia Carvalho e Wilson Oliveira

Assistente de direção: Adélia Carvalho
Cenário: Ed Andrade
Figurino:  Tereza Bruzzi
Assistente de figurino: Edsel Duarte
Iluminação: Geraldo Octaviano
Operador de luz: Régelles Queiroz (gato de luz iluminação cênica)

Preparação corporal: Rafael Batista
Trilha sonora: Márcio Monteiro
Campanha de comunicação: Filipe Lampejo e Vinícius de Souza

Arte gráfica: Filipe Lampejo
Fotografia: Guto Muniz (focoincena)
Assessoria de Imprensa: Fábio Gomides – A Dupla Informação
Gestão de mídias sociais: Letícia Leiva e Matheus Carvalho (Rizoma Comunicação & Arte)
Vídeo: Chico de Paula
Operadora de vídeo e som:  Mayara Christiane da Silva
Filmagem dos bastidores: Byron O’Neill
Produção executiva: Ana Jardim
Assistentes de produção executiva: Amanda Pereira Martins e Mazarelo Teixeira
Realização: Grupo Teatral Encena

 

Serviço

Temporada de estreia do espetáculo “Pequena Coleção de Frases em Tempos de Fundos Pensamentos” – Grupo Teatral Encena

Período: Até 18 de setembro  – de sexta a domingo, às 20h

Local: Teatro Feluma – Alameda Ezequiel Dias, 275 – Sétimo Andar – Centro, Belo Horizonte

Ingressos: R$ 25,00 (meia) e R$ 50,00 (inteira)

https://bileto.sympla.com.br/event/75895/d/154331/s/1025017



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Seguir:
"Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. Sarah Westphal