Sticky Fingers lança quinto álbum de estúdio

Ana Silva
Ana Silva
9 min. para leitura
Sticky Fingers lança quinto álbum de estúdio
Lekkerboy é o reflexo da jornada em que Sticky Fingers esteve até agora. Escrito durante a pandemia e a primeira vez em treze anos que a banda esteve isolada uma da outra, morando em diferentes lugares do país, a banda acabou se reconectando para fazer alguns de seus melhores trabalhos até hoje.
Beaker compartilha: “Mesmo quando o mundo para, nossa história continua se desenrolando e somos bons em capturar essa história. Lekkerboy está aberto à sua própria interpretação e a poesia é deixada para ser tomada… mas para mim este álbum é potente e já soa nostálgico – é grande e cheio de coração”.
Freddy explica: “O momento era muito forte e as sessões de gravação resultantes no Grove afirmaram ainda mais o quão grande todas essas músicas eram. Lekkerboy é o nosso maior e mais longo álbum, pelo qual eu sei que os fãs estão loucos. Estou muito orgulhoso do que alcançamos e mal posso esperar para levar isso ao mundo. É hora do bop!”
OUÇA AQUI
ASSISTA AO VÍDEO DE “LUPO THE WOLF” AQUI
A banda segurou “Lupo the Wolf” até o fim, pois sabiam que era algo que os fãs iriam adorar e queriam fazer um momento em torno da música e do videoclipe. Um “clássico” Sticky Fingers, com todos os sons certos nos lugares certos, estão muito animados em lançar. Seamus: “Lupo The Wolf tem tanta energia. É uma música bombástica. É suja, é legal e tem um retrocesso às nossas coisas antigas, mas também avança de uma maneira nova. O clipe dela é foda. Dizza disse que estava lendo sobre esse cara Lupo The Wolf, e Pats tipo foda-se, vamos escrever sobre isso. Foi uma das primeiras sessões que fizemos em Wollongong, então realmente levantou o ânimo desde o início e fez a bola rolar.”
Todos os singles lançados anteriormente obtiveram milhões de streams e geraram entusiasmo por esta ser uma obra que durará para sempre nas mentes dos fãs.
A primeira faixa a ser lançada do álbum foi “We Can Make The World Glow”, uma faixa sobre seguir com a vida em meio aos demônios em sua cabeça e outras merdas que pesam sobre você. Com bateria forte e animada, a faixa carrega uma energia de pôr do sol na areia, que dá à música o tom característico de StiFi. A melodia carrega uma profunda sensação de conforto, enfatizando a noção de que tudo ficará bem.
Depois, há “Saves The Day”, que narra escrever uma música para uma garota apenas para descobrir que ela não gosta de música. No entanto, escrever não foi à toa. Na verdade, isso levou a autorreflexão para ajudar a perceber por que essa pessoa em questão pode só não estar interessada nisso… “estou vendo as reprises, eu estava agindo como um louco”. Cornwall confidencia: “Foi um trabalho árduo do qual estou muito orgulhoso. Você se encontra com um espaço de cabeça realmente claro olhando para o passado. Há pílulas amargas para engolir, olhando para trás na maneira como me comportei quando estava mal. Arranjando brigas e sendo um bruto. ‘Saves The Day’ é sobre a importância de confrontar seu passado e chegar a um acordo com ele. “Eu disse sinto muito, irmã, pelo dano que fiz, eu disse sinto muito, mamãe, pelo que me tornei”. Foi uma daquelas músicas que surgiram do nada. Veio em menos de meia hora. Esse tipo de música costuma ser meu favorito.”
My Rush” é uma indicação clara do som em constante evolução da banda. Cinco álbuns e não há sinais de desaceleração. Constantemente lutando por algo novo, é exatamente isso que você obtém com esta faixa. Sonora e tematicamente mais sombria, “My Rush” foi escrita durante um período ruim para Frost. Lutando com sua saúde, saiu a letra: “I could wake up in the ward dripping epipens”. Cornwall compartilha:“Uma onda de escuridão atingiu a sala. Embora parecesse a letra certa, não nos sentimos bem ao gravá-la… algumas horas depois, Diz teve uma overdose e acabou no hospital. Não é o tipo de merda que você quer enquanto escreve música. Paramos as sessões na casa de Dizza depois disso. Muito assustador. My Rush como um todo é realmente uma música assustadora. ‘How dark does the rabbit hole go?’… P.S Diz ficou bem, ele ainda está louco como sempre, mas está por aqui e cantando muito.”
Crooked Eyes” se afasta um pouco do estilo de Sticky Fingers. Despojada, os vocais quentes e em tons de mel de Frost se fundem sobre guitarras limpas e órgão vintage. Harmonias em camadas criam uma atmosfera arrepiante, que lembra um coral gospel, que acena para a narrativa da música de superar suas dificuldades e encontrar a luz no fim do túnel.“Crooked Eyes” brinda todos os altos e baixos, reconhecendo os tempos mais sombrios e encontrando gratidão por se tornarem indivíduos mais fortes. Frost fala sobre a criação da música: “Nós tentamos fazer essa música várias vezes ao longo de nossa carreira e nunca acertamos. Até agora. Existem algumas versões mal gravadas, também existem algumas versões gravadas que são muito fodas. polidas e não ásperas o suficiente. Comecei a escrever os versos quando me mudei para o sul de Sydney e a música se tornou muito pessoal devido aos meus vícios em drogas e mentalidade. Para ser completamente honesto, essa música é do coração devido algumas merdas muito sérias que aconteceram, mas também um brinde a todas essas merdas que fomos capazes de superar, o que reabasteceu a alma. Mais uma vez, essa música não seria o que é se não fosse por toda a família Sticky. É sobre nossas lutas e também o amor que compartilhamos um pelo outro e nossos bons momentos… você sabe, a merda de sempre.”
A faixa-título “Lekkerboy” soa fiel ao som da banda, melodias suaves e uma atmosfera geral descontraída. Tocando no vício, é outro olhar pessoal sobre a vida dos cinco rapazes australianos, prestando homenagem ao tempo da banda na Holanda, com “lekker” (em português “saboroso”) e relembrando a época em que Dylan tatuou a palavra na barriga.
Para “Love Song”, “Seamus queria fazer um número otimista ao estilo de The War On Drugs. De qualquer forma, começamos a fazer a música e fizemos uma manobra clássica de Sticky. Nós temos a música soando toda elegante ao lado dos versos em vários tons mais escuros. Um pouco do velho yin e yang… Taras mais tarde despiu toda a seção rítmica e sintetizadores. Deixando o vocal de Dylan nu com apenas um acústico para segurar. Como resultado, ‘Love Song’ é facilmente a música mais triste do Sticky Fingers já escrita. Eu me sinto quase chorando toda vez que ouço. Não acho que isso vai deixar de ter esse efeito em mim.”
Sticky Fingers lança quinto álbum de estúdio
Tendo lotado arenas em toda a Austrália,acumulando 1,5 bilhão de streams nas principais plataformas até o momento e sendo elogiado por veículos como Rolling StoneWonderland Magazine,ClashAmerican SongwriterFred PerryNOTION,Flaunt Magazine e Earmilk, para citar alguns, é claro que Sticky Fingers ainda corre em alto nível, mesmo depois de um hiato de quase três anos.


*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo