Phoenix anuncia novo álbum Alpha Zulu

Julia Fonseca
Julia Fonseca
7 min. para leitura
Phoenix anuncia novo álbum Alpha Zulu
A banda francesa Phoenix, vencedora do GRAMMY, anunciou seu novo álbum,Alpha Zulu, com lançamento previsto para 4 de novembro pela Loyaute/Glassnote Records. Produzido pela própria banda e gravado no Musée des Arts Décoratifs de Paris, que fica no Palais du Louvre, Alpha Zulu é tudo o que Phoenix faz de melhor: melodias cativantes casadas com uma produção sempre inovadora, resultando no que está destinado a ser um dos álbuns do ano de 2022. De fato, Alpha Zulu – o primeiro álbum da banda desde o aclamado disco de 2017, Ti Amo – é um lembrete imediato do que fez de Phoenix um dos atos mais adorados das últimas duas décadas, reforçando a influência duradoura da banda na cultura pop.

 

Uma nova música e vídeo do álbum foi lançado juntamente com o anuncio do álbum. A faixa, intitulada “Tonight”, é um dueto com Ezra Koenig do Vampire Weekend em uma parceria inédita da banda: eles nunca tiveram outro vocalista em uma faixa antes. O resultado é simplesmente sublime. O vídeo, dirigido por Oscar Boyson, foi filmado em Tóquio e Paris (parcialmente no próprio estúdio da banda no Musée des Arts Décoratifs), com Ezra e Phoenix habitando espaços semelhantes em partes muito diferentes do mundo.

 

Ouça já a nova música, “Tonight”, com Ezra Koenig do Vampire Weekend

 

Conforme documentado em seu livro de 2019, Liberté, Egalité, Phoenix, Thomas Mars (vocal), Christian Mazzalai (guitarras), Laurent “Branco” Brancowitz (guitarras, teclas) e Deck d’Arcy (baixo) estiveram longe de suas famílias ao longo desses 30 anos. Conclui com Branco dizendo que pela primeira vez em sua existência – aquela que produziu alguns dos álbuns de pop-rock mais elegantemente conceituais do século – ele e seus irmãos estavam tentando seguir o caminho de menor resistência e ver onde os levaria.

 

Quando eles se despediram na primavera de 2020, eles sabiam que provavelmente não se veriam novamente por um tempo. A banda não trabalha muito com música de maneira individual, então eles não estavam testando ideias remotamente. Quando finalmente conseguiram se reunir meses depois,“estamos quase em transe”, maravilha-se Christian, tipicamente de olhos arregalados. Somando-se a esse sentimento de outro mundo, estava o novo espaço de gravação. “Sentimos que seria uma aventura fantástica criar algo do nada em um museu”, diz Branco. “E assim, com a pandemia, poderíamos viver exatamente essa cena, ficar sozinhos em um museu vazio.”

 

Durante o lockdown, eles tiveram que entrar por uma porta distante, fazendo uma caminhada de 10 minutos por salas escuras e vazias repletas de história. As lanternas de seu telefone destacaram estátuas e, pouco antes de virar para o estúdio, o trono de ouro “grande e bobo” de Napoleão. “Estava com um pouco de medo, quando havia muita beleza ao nosso redor, que criar algo poderia ser um pouco difícil”, diz Christian. “Mas era o contrário: não podíamos parar de produzir música. Nesses primeiros 10 dias, escrevemos quase todo o álbum.”

 

Desta vez, eles navegaram sozinhos nessa explosão jubilosa de criatividade, guiados pelo espírito do falecido Philippe Zdar, seu mais profundo colaborador e amigo, que morreu em 2019. “Perdemos, mais do que nunca”, diz Christian sobre Zdar, um bon vivant cujo espírito infundiu seu debut de 2009, Wolfgang Amadeus Phoenix. “Tivemos muitos momentos em que pudemos sentir suas ideias. Jeté, essa é uma palavra que ele diria, quando você está jogando algo muito rápido.”

 

De fato, há uma relaxamento, um choque de emoções, estilos e eras nascidos na louca incubadora estilística que é o Musée des Arts Décoratifs: “The Only One”, com sua percussão feliz em gota de chuva, colide com o golpe, “All Eyes on Me” quase techno; há um foco no “espaço negativo” – um conceito Zdariano, nas paredes brancas ao redor das exposições do museu – e uma sensação de puro romance, embora tingida com uma compreensão madura de quão precioso esse sentimento se torna com a idade. “My Elixir”, uma música solitária e distante com uma batida docemente rinky-dink que tem o ar do karaokê cantado em um bar vazio. “Ele estava pensando em como em Ti Amo, Phoenix finalmente disse ‘eu te amo’ – ‘mas em uma língua diferente’”, ele admite. Agora vivendo em um EUA cada vez mais apocalíptico, a situação exigia franqueza. Foi então que Thomas escreveu a única música do álbum que não foi composta em estúdio. Seus colegas de banda enviaram um longo loop sem refrão e pediram que ele gravasse um fluxo de consciência. O resultado é a faixa de destaque do álbum, “Winter Solstice”. Pode ser a música mais triste de Phoenix, uma ruminação que gradualmente pulsa da escuridão para a luz.“Turn the lights on / Find me a narrative / Something positive / This requiem played a few times before”, Thomas canta impotente.

 

Trabalhar no Musée levou a banda a um círculo completo, de certa forma. Quando crianças crescendo em Versalhes, eles se rebelaram contra o classicismo francês opressivo ao redor do qual cresceram – a ideia de que a cultura pertencia a um museu. E, no entanto, aqui estavam quatro dos mais importantes embaixadores culturais da França, fazendo seu próximo trabalho em tal espaço. Funcionou perfeitamente: longe das exposições no Musée des Arts Décoratifs, seu estúdio tornou-se um espaço para uma mistura de obras: Dalí ao lado de peças medievais e esculturas de Lalanne. “Os bastidores do museu são como um mashup”, diz Deck. “É muito pop de certa forma – como a forma como fazemos música.”


*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo