Paula Raia lança música sobre amor e respeito no Dia Internacional contra a LGBTQIA+fobia

Após a ensolarada ‘Os Corpos não são iguais’, música de estreia da cantora e compositora carioca Paula Raia (a metade do duo Tuim) sob o projeto RAYA, entra em cena a noturna ‘Cabeça Sideral’, com participação de Mariana Volker, que chega ao streaming pelo selo Toca Discos em 17 de maio, o Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia.

E não por mera coincidência: o novo single reflete sobre questões conjugais em um mundo idealmente livre e desprendido de valores arcaicos, no entanto, enraizados há séculos na sociedade.

Ouça ‘Cabeça Sideral’ aqui: https://links.altafonte.com/ynnxmb2.

Assista o clipe: https://youtu.be/aAKQ7sFejZo.

Composta por Paula durante uma de tantas imersões criativas nos também tantos momentos acirrados da pandemia, ‘Cabeça Sideral’ traz reflexões profundas sobre questões conjugais – a letra, apesar de universal, parte de uma inquietação pessoal: o que Paula queria de um relacionamento dali em diante?

E aqui se encaixa a relação da música com o Dia Internacional contra a Homofobia, a Transfobia e a Bifobia: Paula reflete – e transcorre na música de forma poética e leve – um encontro sob o céu estrelado, num momento único para as duas pessoas.

Paula fala do amor em um mundo idealmente livre, no seu caso, de um amor homoafetivo, baseado em valores que de fato importam para ela, como respeito, afeto e liberdade.

A sensação de amar livremente, respeitando as liberdades alheias e de si – o que deveria ser um princípio básico – traz uma percepção diferente pra existência. Um quê de infinitude. De sideral. E Paula aponta para esse lugar.

Não à toa o arranjo foi pensado nessa atmosfera espacial, utilizando ferramentas de composição para ambientar essa história a partir de símbolos como: a imensidão, o vazio, os silêncios pulsantes, o brilho – na escolha das notas, dos perfis de acorde e no timbre dos instrumentos. Na mixagem e masterização, sensivelmente realizadas por Gui Marques e Bruno Giorgi, também buscamos trazer esse efeito de grandiosidade e dinâmica pra faixa.

“Quando falamos de espaço sideral um caminho mais comum seria ir pra uma sonoridade eletrônica. Mas queríamos preservar o som acústico e as nuances que podemos alcançar com essa escolha, além de uma formação enxuta: duas vozes instrumentais, dois instrumentos cantantes. Para uma mensagem palpável e nítida. Essa talvez seja a música com a diretriz mais pop do álbum, no sentido de uma sonoridade direta, retilínea, potente e de escuta fluida”, diz Victor Ribeiro, produtor musical e violonista do projeto.

Poesia

O ciclo da manhã, tarde e noite do álbum, que conduz a sequência lírica das músicas do disco da RAYA, remete à outra produção de Paula Raia, mas no campo da literatura: “Foi o vento que me trouxe até aqui”, o primeiro livro de poesia que ela lançou em outubro de 2021 pela Editora Patuá.

Feat com Mariana Volker

Cabeça Sideral é um feat com a Mari Volker, minha amiga de Paula e dona de uma das vozes mais lindas e potentes dessa geração.

“Pra mim essa música tinha que ter duas vozes representando o encontro dessa poesia de forma concreta. Lembro de que, ao longo desse caminho, em momentos diferentes, algumas pessoas me disseram que a gente tinha que cantar junto, que a gente tinha um timbre parecido, que as vozes combinavam. E assim sinto”.

Paula aponta a personalidade na voz da Mari. “Como na minha também, e isso é fruto de toda uma trajetória individual da pessoa-artista que somos. Mas tem ali um lugarzinho específico, quando cantamos juntas, que chega a confundir. E acho que isso é amor. Isso é o que tanto falo na própria poesia que escrevi, sobre o amor”.

*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.
Angelo Peterson
"Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. Sarah Westphal