Páscoa para cachorros e gatos pode? Saiba como mimar seu pet de maneira saudável durante a data

Páscoa chegando, e a vontade de presentear os filhos pets vem junto. Afinal, se todo mundo ganha, por que eles não mereceriam um agrado? “Merecem, claro. Os pets merecem todos os mimos, afinal, são nossos parceiros, fazem parte da família. Mas a Páscoa para eles não pode ser a mesma Páscoa para a gente. Cachorros e gatos não podem de jeito nenhum comer chocolate, por exemplo”, explica o médico veterinário Dr. Luis Fernando de Moraes, consultor da Organnact, marca que pesquisa e produz suplementação e comida natural para pets. Ainda segundo o médico veterinário, o problema do chocolate não é – apenas – o açúcar, mas sim as substâncias presentes nele. “O chocolate possui teobromina e cafeína, por exemplo, que são substâncias tóxicas para os pets. E quanto mais escuro for o chocolate, maior o teor dessas substâncias, que podem levar o cachorro a quadros de vômito, diarreia, hiperssalivação, tremores e até à morte”, alerta Luis Fernando.

Mas, então, o que oferecer para os pets em datas especiais, como a Páscoa?

A comida natural pode ser uma saída saudável e que agrada – e muito – o paladar dos animais. “A alimentação natural é uma alternativa às rações e petiscos industrializados, aquelas que chamamos de alimentação seca. Na natural podemos incluir alimentos que são encontrados na dieta dos humanos e que são permitidos numa dieta animal, como carnes, alguns vegetais, algumas frutas”, explica Luis Fernando. Além de oferecer mais nutrientes, a alimentação natural não oferece, por exemplo, conservantes, corantes e aromatizantes artificiais. “No entanto, é muito importante sempre consultar um médico veterinário ou um zootecnista para oferecer esse tipo de dieta, mesmo que em forma de petiscos. Ela é muito benéfica para os pets, mas deve ser equilibrada”, alerta o médico.

E não é nada difícil encontrar petiscos naturais nas pet shops hoje pelo Brasil. Chocolate pra cachorro, bife desidratado, chips e biscoitos são algumas das opções, desenvolvidas por marcas que acompanham os pais e mães de pets que hoje querem investir em saúde e bem-estar de seus filhos peludos. A Organnact, empresa que há 30 anos está no ramo da suplementação, recentemente lançou sua linha Kitchen, que oferece alimentação natural. “Essa com certeza é uma área em expansão. O segmento de pet food é o que mais cresce atualmente no setor, e cada vez mais existe uma preocupação das famílias em investir em saúde para cães e gatos”, conta Luis.

Feito em casa

Para além dos encontrados nas prateleiras, é possível também apostar em receitas caseiras. Mas o Dr. Luis Fernando é categórico sobre os perigos. “Fazer essas receitas que hoje vemos na internet pode ser um risco para a saúde dos pets. É preciso sempre a orientação de um profissional, que pode sim ensinar receitas naturais, mas que se adequem à realidade daquele animal”. O risco maior é sempre de intoxicação, mas existe também o risco de obesidade. “Hoje a obesidade é comprovadamente uma das maiores causas na diminuição da longevidade do pet. Cães ou gatos obesos podem viver uma média de 30% menos que os outros, por isso a oferta de petiscos, mesmo que eles sejam naturais, deve ter o acompanhamento de um médico veterinário ou zootecnista”, finaliza o veterinário.


*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Ana Silva
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)