Oscar 2022: como é feito diagnóstico e quais os tratamentos para alopecia

Ana Silva
Ana Silva
3 min. para leitura
Oscar 2022: como é feito diagnóstico e quais os tratamentos para alopecia

A cerimônia do Oscar, maior premiação do cinema mundial, que foi realizada neste domingo, ficou marcada pela polêmica do tapa na cara que o ator Will Smith deu em Chris Rock após uma piada de mal gosto falando sobre a cabeça raspada de sua mulher, Jada Pinket Smith, que raspou o cabelo por conta da alopecia.

A queda de cabelo em mulheres é um problema mais comum do que se imagina. Segundo a SBTr (Sociedade Brasileira de Tricologia) a procura por consultas por conta do problema aumentou 90% nos últimos meses. “A boa notícia é que existem diversos tratamentos capazes de reverter o quadro quando a calvície é provocada por alopecia”, explica Patricia Marques, cirurgiã plástica especialista em tricologia.

O diagnóstico é feito com exames clínicos e laboratoriais, e o mais importante deles, que determina o tipo de alopecia, é a tricoscopia, feito com uma lente especial que mostra em detalhes a camada superficial da pele do couro cabeludo, além de biópsia em alguns casos.

O tratamento varia de acordo com o tipo de alopecia. Segundo os tabloides americanos, a mulher de Will Smith é portadora de alopecia aerata, uma doença autoimune que produz anticorpos contra o fio do cabelo, mas ele não chega a fibrosar e morrer, então a condição é reversível. Está associada a fatores emocionais, como traumas físicos, estresse e quadros infecciosos. “O tratamento geralmente envolve o uso de corticoides, loções e vitaminas para estimular o crescimento capilar, mesoterapia, entre outros”, explica a especialista.

Além da aerata, existem outros tipos de alopecia como androgenética, popularmente conhecida como calvície; por tração, quando a queda do cabelo é provocada pelo uso contínuo de rabos de cavalo ou penteados muito apertados; difusa, quando os fios pulam os estágios de crescimento capilar e vão direto para a fase de queda; senil, provocada pelo avanço da idade e mais comum acima dos 50 anos, entre outras.

As causas são variadas e podem estar relacionadas com fatores genéticos, estresse, disfunções hormonais, anemia, entre outros. “É importante ter acompanhamento com tricologista, além de uma necessária avaliação para fazer o diagnóstico correto e determinar o tratamento específico para cada tipo de alopecia”, finaliza Patricia.

 



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Por Ana Silva
Seguir:
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)