Operação nacional resgata 233 crianças e adolescentes e prende 623 agressores sexuais
Ministra Cristiane Britto durante o debriefing da operação. (Foto: Hilton silva – Ascom/MMFDH)

O combate à exploração sexual de crianças e adolescentes foi o foco da segunda edição da Operação Parador 27, realizada em todo o país de 2 a 18 de maio. O evento com a apresentação dos resultados ocorreu nesta segunda-feira (6), em Brasília (DF). Promovida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), com o apoio do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), a iniciativa deflagrou ações coordenadas dos órgãos de segurança pública.

Durante os 17 dias de operação, cerca de 18,7 mil policiais atuaram em 2,9 mil municípios. Foram mais de 173 mil pessoas abordadas, 1,1 mil denúncias do Disque 100 (Disque Direitos Humanos) apuradas, 233 vítimas resgatadas e 623 presos. As ações ocorreram durante o Maio Laranja, mês voltado à prevenção ao abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, e contaram com a participação da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Polícias Civis e Militares, além do apoio dos Conselhos Tutelares.

“A repressão a esse tipo de crime é uma forma de falarmos que direitos humanos e segurança podem e devem caminhar juntos. Nós sabemos que muitas crianças estão vulneráveis em nosso país, principalmente na pandemia, pois elas estavam fora das escolas e os educadores são nossos grandes aliados nas denúncias de violações”, afirmou a titular do MMFDH, Cristiane Britto.

Durante o evento, a ministra citou a importância do trabalho conjunto para mudar realidades. “Nós precisamos chegar a essas crianças que gritam por socorro e esperam muito de nós. Elas não têm partidos, não sabem fazer passeata, não votam, então nós somos as vozes dessas crianças”, completou.

O secretário de Operações Integradas do MJSP, Alfredo Carrijo, também celebrou a parceria entre os órgãos para o sucesso da Operação Parador 27. “O nosso intuito é aprimorar o trabalho para a proteção dos que mais precisam da nossa ajuda. Se fosse só uma criança salva, já teria valido a pena, ainda mais que foram mais de 200”, disse.

Pelo MMFDH, também estiveram presentes o secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, Maurício Cunha, e o ouvidor nacional de Direitos Humanos, Nabih Henrique Chraim.

Histórico

A primeira edição da Operação Parador 27 ocorreu em 2021 e mobilizou cerca de 4,6 mil policiais. Eles fiscalizaram 1,8 mil locais e 6,8 mil veículos. Foram presas 105 pessoas e 38 crianças e adolescentes resgatados.

Crime

Exploração sexual é quando uma pessoa alicia outra a práticas sexuais com o objetivo de ganho financeiro do agressor, mesmo que ele não se relacione sexualmente com a vítima. Abusar sexualmente de crianças e adolescentes em troca de benefícios financeiros para a família da pessoa agredida, mesmo com o consentimento dos pais, é crime de exploração sexual.

Disque 100

Sob a gestão do MMFDH, o Disque 100 funciona 24h por dia, incluindo sábados, domingos e feriados, e pode ser acionado por qualquer pessoa. Além de ligação gratuita, o serviço está disponível por meio do site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH/MMFDH), aplicativo Direitos Humanos Brasil, Telegram e WhatsApp (61 – 99656-5008).

Entre os grupos atendidos pelo Disque 100, estão crianças e adolescentes, pessoas idosas, pessoas com deficiência e população em situação de rua. O canal também está disponível para denúncias de casos que envolvam discriminação étnica ou racial e violência contra ciganos, quilombolas, indígenas e outras comunidades tradicionais, além de solicitação de informações e registro de reclamações.

*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.
Ana Silva
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)