O home office pode causar queda de cabelos? Para o presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia, a relação entre os dois fatores é alarmante

Ana Silva
Ana Silva
8 min. para leitura
O home office pode causar queda de cabelos? Para o presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia, a relação entre os dois fatores é alarmante

Existe alguma relação entre a queda de cabelos e o trabalho em home office?

Segundo o Dr. Luciano Barsanti, presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia e Diretor Médico do Instituto do Cabelo (www.institutodocabelo.com.br), a perda dos cabelos por eflúvio telógeno tem ligação com essa modalidade de trabalho – e dois dados podem reforçar essa constatação.

Para que se entenda melhor, eflúvio telógeno é a queda de cabelo causada por eventos como estresse, pós-parto, cirurgia bariátrica e dietas muito restritivas ou um quadro de anemia, por exemplo. Essa situação é considerada aguda quando tem duração de até seis meses – mas, pode tornar-se crônica se houver a presença de uma doença autoimune ou desnutrição.

Uma pesquisa da rede profissional Linkedin, feita com mais de 2 mil pessoas no ano passado, mostrou que 62% dos entrevistados sentiam-se mais estressados e ansiosos com o trabalho home office do que quando trabalhavam de forma presencial.

Não coincidentemente, 70% dos pacientes que procuram o Instituto do Cabelo mensalmente com queixa de queda anormal dos cabelos estão sofrendo com o eflúvio telógeno – sendo que 80% deles trabalham em home office, conforme apurado pelos médicos da clínica. “Nosso universo pesquisado é amplo, porque realizamos mais de 1.500 atendimentos mensais”, alerta o Dr. Luciano Barsanti, que é médico e tricologista e se dedica exclusivamente às patologias capilares há mais de 20 anos.

 

Diagnóstico e tratamento

Para o médico e tricologista, quem tem queda anormal de cabelos precisa ficar atento às possíveis causas para o problema e, acima de tudo, não acreditar em produtos ou curas miraculosas. “É necessário que o paciente passe por uma consulta médica especializada e alguns exames específicos, para identificarmos se a queda tem fundo genético (alopecia androgenética, que atinge homens e mulheres) ou é causada pelo eflúvio telógeno. Após a anamnese (investigação) médica e os exames realizados, podemos fechar um diagnóstico e indicar o melhor tratamento”, diz ele.

No caso de a queda ser causada pelo estresse cotidiano, Dr. Barsanti explica que é possível realizar um tratamento não-invasivo e multidisciplinar, de forma a reduzir a queda e promover o nascimento de novos fios. “Essa multidisciplinaridade está ligada à adoção de novos hábitos, como a prática da meditação, a realização de técnicas de relaxamento e de atividades físicas, tudo em prol do combate ao estresse”.

Já o tratamento não-invasivo é realizado com laserterapia e equipamentos para a eletroestimulação do bulbo do cabelo e desobstrução do óstio (orifício) capilar. “Quando o paciente se trata com um médico especializado, ele também recebe a orientação correta para quadros em que se apresentam doenças que podem participar desse processo de queda, como anemia, por exemplo. É fundamental que se combatam todos os fatores que levam à perda dos cabelos para que o tratamento seja efetivo”, aconselha.

 

Em casa

Quem passa pela queda dos cabelos pode colaborar dia a dia com a redução significativa deste problema. “Pode parecer clichê, mas quem trabalha em home office precisa ter uma agenda que inclua momentos de prática de atividade física, horário para almoço e descanso. Cuidar da qualidade do sono também ajuda a aliviar o estresse – o que favorece o crescimento do cabelo”, explica o médico.

A alimentação bem equilibrada também pode ajudar os pacientes com queda de cabelos. Proteínas de boa qualidade, muita água e vegetais verdes-escuros são benéficos para a saúde capilar.

Por fim, Dr. Luciano Barsanti diz que é um erro esperar o quadro de queda de cabelos para procurar ajuda médica. “Recebemos pacientes que chegam ao consultório apenas quando o quadro se agrava consideravelmente. Se existe uma queda acentuada, é preciso saber o motivo dela”, alerta.

No perfil de Dr. Luciano Barsanti no Instagram (@drlucianobarsanti), há dicas diárias para o cuidado com os cabelos.

 

Sobre o Instituto do Cabelo

O Instituto do Cabelo é uma clínica médica, registrada no CRM sob o número 38045, especializada no tratamento capilar de homens, mulheres e crianças.

À frente dos trabalhos estão o Dr. Luciano Barsanti e a Dra. Marcia Cecilio.

O currículo do Dr. Luciano Barsanti dispensa quaisquer outras apresentações. Médico e Tricologista, ele é Presidente da Sociedade Brasileira de Tricologia “SBTri”, membro titular do American Hair Loss Council – USA e da Sociedade Italiana de Tricologia, além de membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia. É Diretor Médico do Instituto do Cabelo.

Junto a ele está a Dra. Marcia Cecilio, Diretora Científica do Instituto do Cabelo. Médica e Tricologista, ela é membro titular do American Hair Loss Council – USA, membro da Sociedade Brasileira de Laser em Medicina e Cirurgia, e membro da Sociedade Brasileira de Tricologia “SBTri”.

O protocolo médico do Instituto do Cabelo utiliza métodos não-invasivos para diagnóstico do problema capilar e seu melhor tratamento. Isso significa que a recuperação da saúde dos cabelos se faz sem injeções no couro cabeludo (mesoterapia), cirurgias, técnicas artificiais de entrelaçamento ou próteses.

No tratamento não-invasivo, são utilizados equipamentos para eletroestimulação do bulbo do cabelo e desobstrução do óstio (orifício) capilar.

Métodos avançados de diagnóstico: Para a detecção dos problemas capilares envolvidos, o paciente é submetido à consulta médica e ao exame tricológico, por meio de scanner do couro cabeludo, e à microscopia da raiz capilar (bulbo). A partir desse diagnóstico, o paciente é encaminhado ao tratamento.

Tratamento: No tratamento não-invasivo, são utilizados equipamentos pra eletroestimulação do bulbo do cabelo e desobstrução do óstio (orifício) capilar. O Instituto do cabelo utiliza tecnologia de laser de baixo comprimento de onda para a recuperação capilar.

O FDA Americano avaliza o laser de baixa penetração como uma das tecnologias para o tratamento de recuperação capilar. A técnica chama-se LLLT (Low Level Laser Therapy), também conhecida como laser frio. Estudos científicos internacionais demonstraram o aumento da multiplicação celular da raiz do cabelo, aumentando a velocidade de crescimento dos fios e melhorando a densidade capilar, a partir desse tratamento.

Outras terapias auxiliares são adotadas para que o tratamento se potencialize, já que os pacientes podem necessitar de atendimento multidisciplinar que, apenas a partir de uma consulta médica, serão indicados.

O Instituto do cabelo oferece atendimento específico para a recuperação capilar após a gravidez, bem como para os mais variados casos de alopecia.

Todo o tratamento é acompanhado e supervisionado por um médico e tricologista.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Por Ana Silva
Seguir:
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)