Mulher na Medicina – desafios, dedicação e conquistas

Ana Silva
Ana Silva
4 min. para leitura
Mulher na Medicina - desafios, dedicação e conquistas

*Por Dra. Camila Baumann Beteli

O Dia Internacional da Mulher, criado em 1910 e oficializado pela ONU em 1975, teve como objetivo homenagear a luta de 130 operárias que morreram carbonizadas no dia 8 de março de 1857, enquanto reivindicavam por melhores condições de trabalho nos Estados Unidos, como a redução da carga horária, a igualdade salarial e o tratamento digno no ambiente de trabalho. A data representa um símbolo de luta e de autoafirmação da mulher nos mais diversos âmbitos sociais.

Na área da Medicina, o ofício da cura era exclusivamente masculino, até 1849, quando a americana Elizabeth Blackwell tornou-se a primeira mulher a receber o título de médica no mundo, após dez universidades terem rejeitado sua admissão. Trinta anos depois, Maria Augusta Generoso Estrela foi a primeira brasileira a se graduar em medicina, nos Estados Unidos, uma vez que era vedado às mulheres o acesso ao ensino superior no Brasil.

A primeira médica diplomada em universidade brasileira foi Rita Lobato Lopes, em 1887. A partir dessa data, observamos uma crescente participação feminina na área médica, culminando com o observado atualmente: a maioria dos graduandos em Medicina é mulher.

Apesar desse número progressivamente maior de mulheres na Medicina, as especialidades cirúrgicas permanecem como um nicho predominantemente masculino em todo o mundo.

A cirurgia é, de longa data, uma especialidade essencialmente masculina, devido à ideia de estar mais associada à necessidade de maior força e resistência física, formação mais demorada, exigência de maior disponibilidade de tempo e dificuldade de coordenar práticas profissionais com a vida familiar.

No campo da Cirurgia Vascular, atualmente nos Estados Unidos, as mulheres correspondem a apenas 14,6% dos profissionais atuantes. Disparidade semelhante pode ser observada no Brasil, onde os homens representam 78,8% dos cirurgiões vasculares no estado de São Paulo.

Além disso, proporcionalmente, as cirurgiãs vasculares ocupam menos espaço nos cargos de liderança e na produção acadêmica, evidenciando que, a despeito do aumento no número de cirurgiãs, seu avanço nas posições influentes e de maior prestígio permanece limitado.

No que diz respeito à remuneração, em estudo recente publicado pela FMUSP, as mulheres médicas ganham 77% de renda em comparação com os homens. A desigualdade salarial foi explicada unicamente pela questão do gênero; um paradoxo, levando em conta que no Brasil há um número crescente de mulheres exercendo a profissão de médica ou que estão nas escolas de Medicina.

Nesse processo de feminização da Medicina, destacam-se a melhor relação médico-paciente o envolvimento dos pacientes nas tomadas de decisão, a eficácia das ações preventivas, a otimização de recursos, o melhor atendimento às populações em contexto de vulnerabilidade e o respeito às preferências individuais dos pacientes.

Um longo e árduo caminho foi percorrido pelas mulheres que nos antecederam para que hoje pudéssemos escolher nossa profissão e nossa amada especialidade, a Cirurgia Vascular. Seguiremos trilhando esse percurso que nos levará ao direito das mulheres de protagonizar a tomada de decisões em todas as áreas da vida, com remuneração igualitária, divisão de trabalho doméstico e de cuidados não remunerados, e o fim de todas as formas de violência contra a mulher.

 

Dra. Camila Baumann Beteli

Angiologista e cirurgiã vascular

Membro da Comissão de Varizes da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo (SBACV-SP)



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Por Ana Silva
Seguir:
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)