Migrantes venezuelanos no Peru: uma luta pela sobrevivência

Ana Silva
Ana Silva
6 min. para leitura
Migrantes venezuelanos no Peru: uma luta pela sobrevivência
A Venezuelan migrant and her son head towards an informal transport stop in Aguas Verdes. There, migrants can often get rides in vans and cars heading towards Tumbes. Once in Tumbes, they can take buses to the northern cities of Peru such as Piura, Chiclayo, or Trujillo.

Milhares de pessoas entram no Peru a cada semana após uma jornada de quase três mil quilômetros a partir de suas casas na Venezuela. Muitas são famílias jovens, caminhando e viajando de ônibus ou caminhão, carregando seus pertences em mochilas. Esta é a continuação de uma das maiores crises migratórias do mundo. As tensões políticas e as dificuldades econômicas fizeram com que mais de 6 milhões de pessoas deixassem a Venezuela nos últimos anos. A maioria viaja para outros países da América do Sul, como Colômbia, Peru ou Chile.

No final de 2021, Médicos Sem Fronteiras (MSF) começou a administrar postos de saúde para migrantes na região da fronteira norte de Tumbes e em áreas da capital, Lima, que é o principal destino para migrantes venezuelanos no Peru. “Vemos famílias que chegam com crianças pequenas, menores de cinco anos, desnutridas e anêmicas”, explica Omaira Salas, médica do posto de saúde de MSF em Lima. “Também vemos gestantes que precisam de controle de natalidade, mas não tiveram, ou que não fizeram ultrassonografia ou tiveram cuidados pré-natais”.

Quatro dias por semana, a equipe de MSF atende pacientes próximo a um terminal de ônibus no bairro de Fiori, em Lima, onde muitos migrantes chegam à cidade. Os migrantes têm uma ampla variedade de necessidades de saúde, incluindo cuidados de saúde primários, saúde sexual e reprodutiva, saúde mental, encaminhamentos de emergência a hospitais e tratamento de doenças crônicas.

“Como médico, o que me preocupa é o número de pacientes que chegam com doenças crônicas como hipertensão e diabetes”, diz Salas. “Eles ficaram sem medicamentos e não têm meios para comprar mais”. Em Tumbes e em Lima, a equipe de MSF fornece consultas médicas iniciais e tratamentos básicos que os migrantes não conseguiram acessar antes ou durante a sua jornada, como suplementos de ferro para crianças anêmicas ou ácido fólico para mulheres grávidas.

Em seguida, a equipe de MSF ajuda os pacientes a se registrar em serviços do sistema de saúde peruano, o que pode ser muito difícil para os migrantes acessarem. Todas as mulheres grávidas e crianças menores de cinco anos têm direito à assistência médica pública gratuita no Peru, mas os profissionais de saúde ainda exigem documentos que os migrantes não têm, como um comprovante de residência.

“Se uma mulher estiver em trabalho de parto, um centro de saúde a levará se tiver documentos, mas se ela não os tiver, eles não a levarão, a menos que seja uma emergência”, explica Yohana Arevalo-Polack, supervisora de promoção da saúde de MSF em Tumbes.

A pandemia da COVID-19 aumentou as dificuldades que os migrantes enfrentam. O Peru fechou oficialmente suas fronteiras em março de 2020 e só recentemente as reabriu. Embora os migrantes venezuelanos pudessem se registrar anteriormente na chegada e solicitar um visto humanitário, eles não podem mais fazê-lo, tornando mais difícil obter emprego ou se registrar para serviços essenciais. Atravessar a fronteira do Equador normalmente leva mais de quatro horas a pé em condições de calor.

Muitas pessoas chegam ao Peru exaustas e desidratadas. Além dos cuidados médicos básicos, a equipe de MSF em Tumbes fornece comida e água, vacinas contra a COVID-19, informações sobre questões de saúde mental e um número de telefone para a clínica de MSF em Lima. Um assistente social ajuda a identificar outros serviços sociais que possam estar disponíveis, tanto em Tumbes como em Lima.

Muitas pessoas não ficam muito tempo em Tumbes, mas trabalham informalmente lavando carros ou fazendo outras tarefas para ganhar dinheiro suficiente para uma viagem de ônibus para a capital ou outros lugares. Outras procuram andar em caminhões ou simplesmente seguir em frente a pé, carregando seus filhos e pertences nas costas. Em Tumbes, migrantes têm sido repetidamente feridos em quedas acidentais de veículos em movimento, segundo as equipes de MSF.

A violência contra migrantes é muito comum, especialmente em áreas de fronteira. Várias pessoas relataram que foram ameaçadas e roubadas por grupos de homens armados perto da fronteira entre o Equador e o Peru. Uma mulher de 50 anos, viajando com seus filhos de 24 e 25 anos, conta que tinha acabado de ser assaltada após pegar um mototáxi bem próximo à fronteira com o Equador, em território peruano. Segundo ela, o mototáxi levou aproximadamente 30 minutos para chegar a um destino desconhecido, onde foram emboscados por um grupo de três pessoas. Eles ameaçaram tirar a vida de seu filho mais novo e tiraram todos os seus pertences. Eles foram informados de que, se denunciassem os ladrões, sua queixa não avançaria porque é comum a ocorrência de assaltos nesta zona.

Em Tumbes, os profissionais de MSF às vezes são os primeiros a acolher os migrantes quando eles cruzam a fronteira, oferecendo cuidados psicológicos e atendimento de emergência, entre outros apoios. “Notamos muita frustração, muita ansiedade, porque os migrantes chegam com tantas esperanças e a primeira coisa que eles experimentam é o assalto ou outros tipos de violência“, diz Arevalo-Polack.

 



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo