Médico Veterinário alerta para cuidados com gripe em cães e gatos

Ana Silva
Ana Silva
3 min. para leitura
Médico Veterinário alerta para cuidados com gripe em cães e gatos

Comum durantes as estações chuvosas, as gripes felina e canina ainda despertam várias dúvidas, principalmente para tutores que adotaram a pouco tempo um cão ou um gato e nunca tiveram contato antes com o animal em situações de espirro ou tosse. “Em alguns casos, você vai observar que, além desses sintomas, o seu animal pode apresentar secreção mucopurulenta nos olhos ou no nariz. Os gatos, especificamente, dependem bastante do seu olfato para se interessar pela comida, então eles podem diminuir a ingestão de ração. Em casos mais graves, têm dificuldade para respirar, mostrando-se ofegantes. Se apresentarem febre (temperatura acima de 39,2oC) podem ficar mais quietos e apáticos”, ressalta Victor Galindo, professor do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário Fametro (Unifametro).

Normalmente, os casos de gripe canina ou felina são autolimitantes. Ou seja, depois de aproximadamente duas semanas, os sinais tendem a desaparecer. Contudo, é possível evitar que os animais desenvolvam essas doenças após o protocolo vacinal adequado de cada espécie, como explica o profissional. “Nos cães, orientamos que sejam feitas 3 doses, com intervalo de 3 a 4 semanas entre cada uma, a partir dos 42 dias, desde que o pet esteja apto a receber a dose. Prefira investir numa vacina importada, pois elas oferecem chances infinitamente maiores de proteção para o animal. A diferença para os gatos é que eles só podem ser vacinados a partir de 8 a 9 semanas, em que apenas duas doses são necessárias. É importante lembrar que o reforço deve ser realizado anualmente a partir da última dose aplicada”, salienta Victor.

“Enquanto os pacientes manifestam a síndrome gripal, as orientações médicas poderão incluir a administração de antibióticos, descongestionantes nasais, nebulização, fluidoterapia, suplementação nutricional, aplicação de colírios e vão variar conforme o caso clínico se apresente. Além disso, não medique o seu pet sem orientação do veterinário, porque você pode camuflar alguns sintomas importantes na hora da consulta e talvez até piorar o quadro. Na dúvida, é importante não perder tempo e levar o animal para uma consulta imediatamente”, pontua o veterinário.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo