Março Lilás e Azul Marinho: Câncer de colo de útero e colorretal podem ser prevenidos

Ana Silva
Ana Silva
3 min. para leitura
Março Lilás e Azul Marinho: Câncer de colo de útero e colorretal podem ser prevenidos

O câncer de colo de útero é o terceiro tumor mais frequente na população feminina e é considerada a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil. Já o câncer colorretal é o terceiro câncer mais comum entre homens e mulheres no país. Por isso, no mês de março, o Lilás e o Azul-Marinho são as cores da campanha que alertam para a atenção aos cuidados e prevenção dessas doenças, que são facilmente preveníveis, desde que haja acompanhamento adequado, como explica Tarcyo Bonfim, médico e diretor assistencial da Assiste Vida.

O tratamento de ambas, realizado em sua maioria com quimio e radioterapia, pode ser extremamente incômodo para os pacientes, que podem apresentar quadros de diarreia, náusea, vômito e dor. Nesses casos, o atendimento domiciliar pode atuar nos sintomas causados pelo tratamento. “Esses cuidados são plenamente possíveis de serem feitos no domicílio, evitando um transtorno maior de deslocamento do paciente que já está mais vulnerável”, afirma ele.

Segundo o médico, o acompanhamento domiciliar contribui também para a autoestima do paciente. “Na medida em que está no seu ambiente habitual, a pessoa se sente mais segura, mais confiante”.

No entanto, muitas pessoas nem cogitam esse tipo de acompanhamento, de acordo com Tarcyo, pela desinformação da equipe médica. Para que o paciente tenha o atendimento domiciliar, que pode ser particular ou acionado pelo plano de saúde, o primeiro passo é questionar o seu médico sobre a possibilidade e preencher alguns critérios:

  • Diagnóstico confirmado do problema de saúde ou do agravo dele;
  • Estar estável clinicamente, ou seja, o paciente que não está evoluindo para uma condição de gravidade (sem necessidade de UTI);
  • Domicílio adequado para os cuidados domiciliares (bem ventilado, com energia elétrica, água encanada, telefonia e presença de um cuidador, caso o paciente demande cuidados);

 

Conforto até o fim

De acordo com Tarcyo, quando a doença atinge um estágio avançado, inicia-se a fase de cuidados paliativos. “Normalmente o paciente tende a sentir muita dor por conta da metástase e até mesmo falta de ar. Nesses casos, atuamos fazendo analgesia venosa em casa, com o objetivo de diminuir as dores e gerar mais conforto para o paciente”, explica.

“Tanto o câncer colorretal como o câncer de colo de útero são doenças que podem levar ao óbito, mas essa situação pode ser evitada desde que haja o acompanhamento médico de rotina e se realize os exames de colonoscopia e o preventivo ginecológico. Nesse caso a prevenção é sim o melhor remédio”, afirma o médico.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo