III Jornada do Patrimônio Cultural aborda legado da Semana de 1922 em Salvador

Ana Silva
Ana Silva
5 min. para leitura
III Jornada do Patrimônio Cultural aborda legado da Semana de 1922 em Salvador

Entre os dias 13 e 17 de fevereiro de 1922, o Brasil prestigiava a Semana de Arte Moderna, um importante evento que trouxe inúmeras inovações para as artes nacionais e inaugurou o modernismo em nosso país. Ao compreender a importância deste movimento, a Prefeitura de Salvador, através da Fundação Gregório de Mattos (FGM), lançou ontem (14), na exata semana de celebração de seu centenário, a submissão de artigos científicos para a III Jornada do Patrimônio Cultural de Salvador. As inscrições ficam abertas até o dia 17 de abril de 2022.

Com o tema “Legado da Semana de 22 na Soterópolis”, o evento recebe artigos que dialoguem com seus três eixos temáticos: 1) Vanguarda Literária e Artística na Bahia – o alvorecer de um novo tempo; 2) Influências do Modernismo no Urbanismo e na Arquitetura na Cidade do Salvador; e 3) Tradição e Modernidade na Construção do Patrimônio Histórico de Salvador.

Os pesquisadores podem consultar as ementas na página de inscrição, através do site www. fgm. salvador. ba. gov. br. Os artigos selecionados comporão um livro virtual lançado pela FGM.

A Jornada do Patrimônio Cultural de Salvador chega à terceira edição com objetivo de discutir as influências e as inspirações provocadas pela Semana de Arte Moderna na produção patrimonial de Salvador, em suas dimensões materiais e imateriais. O projeto está previsto para acontecer em agosto, com uma programação especial.

“É um importante espaço de debates e discussões, que coloca o patrimônio artístico-cultural num lugar mais amplo, para além do reduto acadêmico ou de turismo. O objetivo do projeto é despertar nas pessoas o sentimento de pertencimento, ao aproximar o patrimônio cultural do cidadão, onde é possível ver a história da cidade contada por meio dos registros em forma de monumentos, edificações, pavimentações e ruas: a cultura vivida em nosso cotidiano”, afirma o presidente da FGM, Fernando Guerreiro.

Artigos científicos – A chamada de artigos científicos ao projeto tem o objetivo de circular e promover as reflexões produzidas por diferentes pesquisadores de Salvador. “Além de ser uma maneira de dar visibilidade a essas produções acadêmicas, o e-book vai permitir que as pessoas interessadas na Semana de 22 entendam um pouco mais sobre as influências modernistas na capital baiana ao longo do último século”, destaca Vagner Rocha, gerente de Patrimônio e Humanidades da FGM.

O evento é uma oportunidade de olhar para nossa própria cidade. Milena Tavares, diretora de Patrimônio e Humanidades, acredita que o projeto estimula o campo da memória e fomenta a troca de conhecimentos e reflexões. “Nessa terceira edição iremos tratar dos 100 anos do movimento moderno e as contribuições para a cultura local, trazendo a oportunidade de vivências e o acesso a conteúdos em diversos campos: literatura, artes cênicas, artes visuais, urbanismo e arquitetura”, pontua.

Modernismo – O evento foi realizado em comemoração aos 100 anos da Independência do Brasil. Seu objetivo era enfatizar as mudanças sociais, políticas e econômicas que sucederam ao longo daqueles 100 anos. O modernismo, como ficou conhecido, valorizava a cultura nacional e a introdução de novas linguagens nos campos da pintura, da escultura, das artes visuais em geral, da literatura, da poesia, da arquitetura, e da música.

Em Salvador, o movimento despontou em fins da década de 1920, revelando-se aos poucos, por meio de jornais e periódicos, em salões e conferências, em recitais de poesias, em festivais, no teatro amador, no cinema, na arquitetura e no urbanismo, na educação, até que, finalmente, novas feições começaram a surgir na cidade, em todos os seus aspectos.

Realização – A Jornada do Patrimônio Cultural de Salvador é uma ação de educação patrimonial, dentro do Programa Salvador Memória Viva, da Diretoria de Patrimônio e Humanidades, por meio da Gerência de Patrimônio Cultural da FGM. O objetivo é a produção de conhecimento, divulgação e valorização do patrimônio cultural material e imaterial de nossa cidade.

Fotos: Jefferson Peixoto/Secom



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo