Fonte Editorial e PAULUS Editora lançam a obra “Mulheres no Cristianismo Primitivo – poderosas e inspiradoras”

Angelo Peterson
Angelo Peterson
4 min. para leitura
livro Mulheres no Cristianismo Primitivo

A PAULUS Editora, em parceria com a Fonte Editorial, lança a obra “Mulheres no Cristianismo Primitivo – poderosas e inspiradoras”, organizada por Cláudio Umpierre Carlan, Pedro Paulo Abreu Funari, Roberta Alexandrina da Silva, entre outros. A presente obra reúne pesquisas nos campos da Ciência da Religião, Teologia, Historiografia, com estudos sobre as escritas judias e cristãs, Arqueologia e Ciências Sociais que visam ilustrar o importante papel que as mulheres exerceram nas dinâmicas primordiais do cristianismo.

 

Esta coletânea agrupa pesquisas de importantes historiadoras e teólogas brasileiras e estrangeiras, voltadas para o protagonismo das mulheres no período que abrange os três séculos após a ressurreição de Jesus Cristo (30 d.C.).

 

Dividido em 12 capítulos, o livro aborda os seguintes temas: “Cristianismos a favor do convívio”, “A virgindade e seus significados para a sexualidade feminina no cristianismo primitivo”, “Lídia de Tiatira: líder profissional e religiosa”, “Em busca do Amor Maior: uma perspectiva do cristianismo das mulheres”, “Ida e volta entre Jesus e as mulheres, as mulheres e Jesus”, “Itinerários femininos, Jesus de Nazaré e abordagens histórico-críticas”, “Métodos e epistemologias feministas nos estudos de religião”, “A exegese feminista no Novo Testamento”, “Maria, fonte de inspiração: do cristianismo primitivo aos nossos dias”, “Maria Madalena: da disputa por autoridade nas origens cristãs ao protagonismo em Hollywood”, “Tecla: inspiradora e obstinada na performance da transversatilidade e tonsura feminina” e “A participação feminina no cristianismo primitivo e a influência de Paulo no gnosticismo”.

 

No prefácio da publicação, Pedro Lima Vasconcellos destaca que a obra se desdobra em dois veios principais, a narração de histórias de mulheres no âmbito do cristianismo dos primeiros séculos e na retomada de temas e procedimentos fundamentais dos estudos sobre as religiões em chave feminista. “Vozes e caminhos tácita e secularmente ignorados recebem olhares sensíveis, miradas atentas, e tanto aqueles quanto estes não deixarão de ser notados à leitura cuidadosa a que estas páginas convidam”, ressalta o prefaciador.

 

Segundo o organizador Cláudio Carlan, ao abordar o cristianismo sob o olhar feminino, a obra propõe um feito inédito. “O principal ponto é uma análise da religião cristã, sob a ótica feminina, tanto no início, século I, quanto no mundo atual. Algo novo no mundo acadêmico nacional e, provavelmente, internacional também”, afirma um dos autores/organizadores da obra.

 

Entre as articulistas, constam nomes de relevância no campo da Ciência da Religião, Teologia e Bíblia, tais como Elizabeth Castelli, Ivone Reimer, Ivone Gebara, Lucía del Carmen Riba, Amy-Jill Levine, Carolina B. de Sousa, Ketlin Schuchardt , Mercedes Navarro, Maria José Fontelas Rosado Nunes, Lívia Saraiva e Silvia Márcia Siqueira.

 

A obra “Mulheres no Cristianismo Primitivo – poderosas e inspiradoras” é indicada para professores, pesquisadores, estudantes, bispos, padres, religiosos, religiosas, leigos e todos aqueles que se dedicam ao estudo e aprofundamento da origem do cristianismo, atuação das mulheres no primeiros séculos da Igreja e reflexão da Palavra de Deus.

Ficha técnica:

Título: Mulheres no Cristianismo Primitivo – poderosas e inspiradoras
Organizadores: Cláudio Umpierre Carlan / Pedro Paulo Abreu Funari / Roberta Alexandrina da Silva / (orgs.)
Coedição: Fonte Editorial
Acabamento: Brochura
Formato: 16 (larg) x 23 (alt)
Páginas: 338
Área de interesse: Bíblico
Link: https://bit.ly/3B4Krif



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Seguir:
"Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. Sarah Westphal