Exame de alta sensibilidade detecta adenovírus vinculado à hepatite aguda de origem desconhecida

O crescente número de casos de hepatite aguda de origem desconhecida em crianças tem intrigado autoridades da área de saúde em pelo menos 20 países. Em 15 de abril, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou um alerta sobre casos de hepatite aguda severa de causa desconhecida. Segundo a OMS, o número de casos notificados é 614, sendo que ocorreram 14 óbitos. A doença atinge principalmente crianças e adolescentes cujas idades variam de um mês a 16 anos.

O Ministério da Saúde informou que há 64 casos suspeitos no Brasil e o governo criou uma Sala de Situação para monitorar a doença com o objetivo de investigar os casos reportados e realizar um levantamento de evidências. A enfermidade foi identificada pela primeira no Reino Unido e causa sintomas gastrointestinais, incluindo náuseas, dores abdominais, vômitos, icterícia, aumento de enzimas hepáticas (aspartato transaminase (AST) ou alanina aminotransaminase (ALT) acima de 500 UI/L e ausência de febre.

Os casos são classificados como uma inflamação no fígado aguda e severa de origem desconhecida e a doença foi apelidada de hepatite misteriosa, pois difere de registros médicos anteriores. Os exames tradicionais de sangue são negativos para hepatites A, B, C, D e E.

Pesquisadores estudam relação entre hepatite e adenovírus

Uma possível associação entre infecções causadas pelo adenovírus 41 e a hepatite misteriosa foi apontada em uma pesquisa do Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças. A infecção por adenovírus foi detectada em ao menos 74 casos. Em 18 casos, testes moleculares identificaram a presença do adenovírus F tipo 41 e, em 20 casos, foi descoberta a presença do SARS-CoV-2, que causa a Covid-19.

Além disso, em 19 casos houve uma coinfecção por SARS-CoV-2 e adenovírus. O órgão trabalha com a hipótese de que o vírus pode ser o responsável pela doença. A relação entre a hepatite aguda e a vacina contra Covid-19 foi descartada.

Os adenovírus são vírus de DNA dupla fita e existem mais 51 subtipos do vírus que estão divididos em sete subgrupos  e podem causar infecções em humanos. Os adenovírus são a causa mais comum de doenças respiratórias e os sintomas podem variar desde um resfriado comum até pneumonia, infecções do trato respiratório superior e bronquite. As vias aéreas superiores são o local mais frequente da infecção por adenovírus. Porém, dependendo do tipo do vírus, eles podem acarretar outras doenças como gastroenterites, conjuntivites, cistites e, com menor frequência, doenças neurológicas.

A transmissão do vírus ocorre por meio do contato entre as pessoas e as crianças que são mais regularmente afetadas do que adultos. Em crianças de até cinco anos, as infecções por adenovírus chegam a 80%. Na maioria dos casos, as infecções regridem espontaneamente em poucos dias e, por isso, não precisam de intervenção terapêutica.

Porém, as infecções graves por adenovírus necessitam de internamento e tratamento específico, incluindo cuidados intensivos e ventilação assistida. De acordo com o Instituto Butantã, ocorreram casos raros de infecções graves por adenovírus que resultaram em hepatite em pacientes imunocomprometidos e transplantados, por exemplo. No entanto, as crianças infectadas com hepatite aguda eram previamente saudáveis.

Exames moleculares detectam Adenovírus, sorotipo F tipo 41

Detectar rapidamente o adenovírus é vital para minimizar a gravidade desse panorama. O laboratório ID8 – Inovação em Diagnóstico oferece diagnósticos moleculares de alta sensibilidade que detectam o Adenovírus, incluindo o adenovírus F tipo 41, em apenas uma amostra.

O exame é rápido, acessível, de alta precisão – sem falsos positivos ou negativos – e possibilita que o paciente receba um tratamento apropriado, agindo diretamente sobre as consequências negativas da enfermidade. O exame é bastante oportuno para hospitais, já que a agilidade é imprescindível em atendimentos de emergência.

Rodrigo Chitolina, supervisor de laboratório e responsável técnico do ID8 – Inovação em Diagnóstico, explica a importância dos exames moleculares para detecção do Adenovírus, oferecidos no ID8: “No  laboratório trabalhamos com metodologias de biologia molecular que  são importantes aliados na conclusão de um diagnóstico, pois, além de serem padrão ouro com alta sensibilidade e especificidade, quando em formato de painéis, podem detectar vários patógenos com uma única amostra, o que acelera a conclusão do diagnóstico médico”, aponta.

Ainda de acordo com Chitolina, atualmente o ID8 conta com dois exames que detectam o Adenovírus, o Exame Adenovírus – Detecção por qPCR e o exame Painel de Encefalites, sendo que, ambos detectam todos os sorotipos descritos para a espécie, incluindo o sorotipo F tipo 41, possivelmente relacionado à hepatite aguda em crianças. “Além disso, ambos os exames apresentam uma gama de amostras passíveis de serem testadas, incluindo sangue total, que para a pesquisa da infecção hepática pode ser mais aconselhável, que apenas em amostra respiratória”.

É importante destacar que dentro do laboratório todos os exames são tratados em caráter de urgência e liberados em poucas horas após o recebimento, pois funciona 24 horas por dia, todos os dias da semana. “Dessa forma trazemos assertividade e celeridade para o diagnóstico e conduta médica. Esse formato de trabalho 24/7 é essencial para o atendimento a hospitais, uma vez que, caso detectado uma suspeita de hepatite aguda a amostra precisa ser processada o mais rápido possível e não ficar aguardando a análise em um dia útil ou apenas horário comercial”, acrescenta Rodrigo, do ID8.

Além da preocupação com a hepatite aguda, profissionais da saúde permanecem em estado de alerta em relação a doenças respiratórias em crianças. O Ministério da Saúde informou que houve um aumento de 30% nas internações de crianças de até cinco anos com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) nos quatro primeiros meses do ano na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Na Atualização em Pediatria – Temporada 2022 – doenças respiratórias e hepatites em crianças, evento online organizado pela Sociedade Paranaense de Pediatria, a pediatra infectologista Marion Burger reiterou a importância da vacinação: “É preciso reforçar a vacinação de todas as vacinas do calendário infantil para aumentar a proteção coletiva. Em 2020 e 2021, as crianças estavam isoladas e, agora em 2022, os outros vírus respiratórios começam a mostrar suas garras”.

Segundo ela, o uso de máscaras e de álcool em gel e o distanciamento social devem ser mantidos para proteger as pessoas da disseminação de diferentes vírus. “Não entendo as pessoas reclamarem tanto sobre o uso de máscaras. Devemos ser como os asiáticos e fazer disso um hábito de rotina para evitar que esses vírus se propaguem e causem consequências graves”, frisou.

Sobre o ID8 – Inovação em Diagnóstico 

Um laboratório de apoio focado no diagnóstico molecular com entrega rápida, oferecendo resultados em poucas horas após o recebimento da amostra, com um fluxo de trabalho operacional os 7 dias da semana. Os serviços vão além do diagnóstico. Metodologias simples e ágeis que reduzem consideravelmente o tempo de entrega do resultado, possibilitando ao paciente a chance de um tratamento mais assertivo e direcionado. Saiba mais em: www.id8diagnostico.com.br. 


*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Ana Silva
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)