Ernani Buchmann lança livro sobre futebol e Copa do Mundo

Angelo Peterson
Angelo Peterson
5 min. para leitura
livro Ernani Buchmann

O advogado, jornalista e escritor Ernani Buchmann lança nesta terça-feira (13), às 18h30, durante a 41ª Semana Literária Sesc PR e 20º Feira do Livro Editora UFPR, o seu quinto livro sobre futebol: Copa 42 – O Símbolo Mundial Nazi-fascista, editado pelo Sesc PR.

Em seu mais recente trabalho, Buchmann gerou uma fantasia escrita com linguagem objetiva de um jornalista, misturando ficção e realidade para narrar os episódios que cercaram a realização daquela copa.

A obra tem orelha de Carneiro Neto e prefácio de Celso Unzelte, historiador do futebol, uma das figuras mais conhecidas da ESPN. “O escritor Ernani Buchmann afiou os neurônios e com sua veia de notável ficcionista nos brindou com este livro extremamente criativo”, disse Carneiro Neto. Para Unzelte, a proposta de Ernani Buchmann neste livro é “fascinante – mais, até, que isso: irresistível! O mesmo homem que, só para ficar dentro de campo, já brindou a todos nós, amantes desse tipo de leitura, com outras pérolas, como Cidades e ChuteirasQuando o Futebol Andava de TremO Ponta Perna de Pau e a Camisa de Ouro. Mas, dessa, vez, ele foi longe demais. Longe mesmo, no tempo e no espaço”, avalia.

A revelação sobre qual país venceu aquela Copa fica reservada a quem adquirir a obra.

Os livros são comercializados pelo autor ao custo de R$ 40.

 

Cidades e Chuteiras

Cidades e Chuteiras foi publicado em 1987, pela Editora Módulo Três, criada por Oswaldo Miranda, o Miran, também autor do projeto gráfico. Edição de 500 exemplares, distribuídos aos amigos. Um pequeno livro de crônicas, de 60 páginas, que virou cult por conta da excelência do layout, das ilustrações e das vinhetas. Chegou a ser vendido no site Estante Virtual por quase R$ 200. Edição esgotada.

 

Quando o Futebol Andava de Trem

Quando o Futebol Andava de Trem – memórias dos times ferroviários brasileiros é resultado de uma ampla pesquisa, revelando clubes que foram fundados no país por influência das ferrovias. Lançado na Feira do Livro em Porto Alegre, em 2002, vendeu toda a edição de 1.500 exemplares em 60 dias. A segunda edição, com a mesma tiragem também esgotou. É tido como referência na história do futebol brasileiro. Está no acervo da Brown University, nos EUA.

 

O Ponta Perna de Pau

O Ponta Perna de Pau, coletânea de crônicas sobre futebol, é de 2005. Projeto gráfico de Junior Gonçalves, igualmente autor da criativa capa. O livro incorpora relatos do autor sobre sua experiência como presidente do Paraná Clube, época em que o time profissional conquistou o tetra e o pentacampeonato paranaense, além de alcançar resultados históricos, como golear o Flamengo por 4 x 1 em pleno Maracanã. Edição também esgotada.

 

A Camisa de Ouro

Alguns meses antes da Copa de 2006, a Getz Comunicação lançou uma edição especial de 500 exemplares de A Camisa de Ouro, livro de crônicas contando a história da camisa amarela da seleção, ilustrado com fotos de Tânia Buchmann, Charly Techio e Denise Bellani. A obra traz uma crônica sobre cada Copa do Mundo realizada desde 1930. Em formato de álbum, colorido, o livro também se tornou uma raridade, inclusive por jamais ter sido colocado à venda. As pesquisas sobre as camisas da seleção brasileira revelaram a estreia da camisa azul em Copas do Mundo, corrigindo, inclusive, o livro sobre a história da CBF.

 

Serviço

Sessão de autógrafos e lançamento de Copa 42 – O Símbolo Mundial Nazi-fascista

Local: Praça Santos Andrade, em Curitiba

Data e horário: 13 de setembro, a partir das 18h30

Agendamento de entrevistas com o autor e aquisição de livros: pelos telefones (41) 99236-3335 ou (41) 3883-4517.

 



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Seguir:
"Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu. Sarah Westphal