Biofílica Ambipar Environment conta com apoio da Plataforma SCCON na conservação da floresta Amazônica

Ana Silva
Ana Silva
6 min. para leitura
Biofílica Ambipar Environment conta com apoio da Plataforma SCCON na conservação da floresta Amazônica

O Projeto REDD+ Vale do Jari realizado em conjunto entre Biofílica Ambipar Environment, Jari Celulose e Fundação Jari renova mais um ano de parceria com a SCCON , empresa brasileira de Tecnologia Geoespacial. As organizações têm como objetivo promover ações para a conservação florestal e da biodiversidade na região e redução de emissões potenciais de gases de efeito estufa (GEE).

O projeto está localizado no Vale do Jari e conta com 200.000 ha de áreas distribuídas nos estados do Pará e Amapá. Através do monitoramento contínuo e detecção das mudanças verificadas foi comprovada a preservação de 199.896 hectares de floresta para geração dos créditos de carbono.

“Este trabalho tem como base um modelo de desenvolvimento econômico local que valoriza a “floresta em pé”, por meio do desenvolvimento socioeconômico local. Através da Plataforma SCCON e imagens de satélite diárias Planet, monitoramos o desmatamento, a degradação florestal e ações de vigilância patrimonial”, explica Plínio Ribeiro, co-fundador e CEO da Biofílica Ambipar Environment.

Com ciclo de vida de 30 anos, o Projeto REDD+ Vale do Jari é o maior dentre o portfólio Biofílica, em extensão de território e em créditos já verificados, abrangendo as áreas localizadas no Amapá e Pará.  As atividades realizadas pelo projeto são caracterizadas por sua implementação contínua e as principais temáticas trabalhadas são divididas nos escopos de clima, comunidade e biodiversidade.

Iara Musse Felix, co-fundadora e CEO da SCCON ressalta que o Projeto REDD+ Vale do Jari é um exemplo importante de utilização da tecnologia Planet e da Plataforma SCCON para apoio às ações e estratégias de conservação da floresta e geração de créditos de carbono. “A capacidade de monitoramento contínuo e a emissão de alertas de desmatamento com a comprovação de sua localização, extensão e análises assegura ao Projeto Jari, o monitoramento, controle e fiscalização da floresta com ações e transparência necessária para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”.

Para o clima, o projeto realiza o monitoramento do desmatamento desde 2011 utilizando imagens de satélite públicas de média resolução do INPE/PRODES  e a partir de 2020, imagens diárias de alta resolução da Planet com a Plataforma SCCON, assegurando maior detalhamento de análises. O uso desses dados são complementares entre si para os diferentes tipos de análises, incluindo as ações de patrulhamento que ocorrem nas áreas por vias fluviais e terrestres pela equipe de vigilância. Essas atividades ocorrem com o objetivo de garantir a proteção da propriedade, prevenindo e identificando ações envolvendo desmatamento, exploração ilegal de madeira e produtos florestais, entre outras atividades ilegais. Desde 2011 foram evitados 8.292 hectares de desmatamento, com 2.997.137 tCO2e em créditos de carbono gerados e verificados desde até 2019. Com potencial de geração de 16.529.450 tCO2 em créditos de carbono, em 30 anos

Para comunidade, o projeto realiza o treinamento técnico e a capacitação em produção rural, técnicas agrícolas, florestais e extrativistas, guiadas de acordo com interesse familiar e comunitário. Hoje, são 303 famílias de 15 comunidades beneficiadas, o objetivo é tornar os produtores capazes de implementar técnicas agrícolas e florestais adequadas, viabilizando constante produção e geração de receita, sendo capazes de conduzir suas produções de modo eficaz e eficiente, produzindo alimentos e gerando renda sem necessidade de abertura de novas áreas, perpetuando os benefícios a si mesmos, ao clima e à biodiversidade.

Já para biodiversidade, a região onde o projeto se localiza tem um papel muito importante na conservação de recursos, além de ser a integradora da Área Endêmica do Escudo das Guianas, a Área do Projeto tem ocorrência de espécies globalmente ameaçadas de extinção de acordo com a Lista Vermelha de Espécies em Perigo da IUCN que são protegidas graças à preservação da área. No período, foram 2.070 espécies de fauna protegidas, das quais 133 estão ameaçadas de extinção, e 340 espécies de flora, dentre elas 54 em extinção.

A solução SCCON possui uma Plataforma Web, com inúmeras funcionalidades de análise da área do projeto, incluindo a disponibilização das imagens PlanetScope diárias prontas para uso, em até 24 horas após sua aquisição pela constelação de mais de 200 satélites da Planet.

O sistema permite monitorar diferentes tipos de alteração antrópica e ou natural que ocorrem nas áreas do Projeto, emitindo alertas, bem como analisar a dinâmica das alterações, registrando e armazenando dados qualitativos e quantitativos das ocorrências verificadas  com as imagens de antes e após a ocorrência e da emissão do alerta.

Segundo Plínio Ribeiro, a ferramenta possibilita informações mais precisas e atualizadas das áreas, oferecendo um processo de gestão mais eficiente por meio das imagens diárias de alta resolução temporal, otimizando os trabalhos de campo. “A identificação quase simultânea das áreas desmatadas, com uso dos alertas e o apoio das imagens de satélite facilita o trabalho da equipe de campo da vigilância patrimonial, auxiliando na tomada de decisões e ações de contenção para atuação dos agentes de desmatamento”, explica.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo