ACNUR ativa operação humanitária e capta recursos para apoiar mais de 660 mil pessoas forçadas a se deslocar na Ucrânia e em países vizinhos

Ana Silva
Ana Silva
6 min. para leitura
ACNUR ativa operação humanitária e capta recursos para apoiar mais de 660 mil pessoas forçadas a se deslocar na Ucrânia e em países vizinhos

Cerca de 660.000 pessoas foram forçadas a se deslocar da Ucrânia para países vizinhos nos últimos seis dias, de acordo com os dados compilados pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). Outras milhares de pessoas estão deslocadas internamente no país devido à ação militar em curso. Neste ritmo, a situação pode se tornar a maior crise de refugiados da Europa neste século.

Para apoiar o trabalho do ACNUR em prol das pessoas forçadas a se deslocar da Ucrânia, doe agora!

Com forte presença na Ucrânia e nos países da região, o ACNUR está mobilizando uma grande operação humanitária para atender as necessidades destas pessoas. Em conjunto com outras agências das Nações Unidas e organizações parceiras, também está mobilizando recursos para responder a esta crise da forma mais rápida e eficaz possível.

Nesta terça-feira, as Nações Unidas e parceiros humanitários lançaram um apelo de emergência conjunto estimado em US$ 1,7 bilhão para fornecer ajuda urgente a pessoas forçadas a se deslocar na Ucrânia e em países vizinhos.

Entre as ações previstas para dentro da Ucrânia estão a assistência financeira emergencial às pessoas mais vulneráveis, a distribuição de alimentos e água, cuidados de saúde, serviços de educação, abrigamento emergencial e reconstrução de casas danificadas. O plano também busca apoiar as autoridades dos países vizinhos para que mantenham o funcionamento dos centros de recepção para pessoas deslocadas, com atenção especial à prevenção da violência de gênero.

O ACNUR está presente nas fronteiras e em contato com as autoridades para disponibilizar assistência. Na Polônia, a equipe de campo do ACNUR relata quilômetros de filas na fronteira do lado ucraniano. Aqueles que cruzaram a fronteira disseram que estavam esperando até 60 horas. Grande parte das pessoas que chegam são mulheres e crianças de todas as partes da Ucrânia. As temperaturas estão muito baixas, e muitos relataram passar dias na estrada esperando para atravessar.

Também com equipes na Hungria, Moldávia, Romênia e Eslováquia, o ACNUR está monitorando o movimento nas fronteiras com a Ucrânia e trabalhando com os governos destes países na recepção das pessoas refugiadas, provendo informação, apoiando a gestão de abrigos emergenciais e distribuindo itens de assistência humanitária, como cobertores, colchonetes, kits de higiene e lâmpadas solares.

A ONU estima que 12 milhões de pessoas dentro da Ucrânia precisarão de ajuda e proteção, enquanto mais de 4 milhões de refugiados podem precisar de assistência em países vizinhos nos próximos meses.

Faça uma doação mensal e garanta a segurança, a saúde e o bem-estar de crianças, mulheres e homens que foram forçados a fugir. Sua doação pode salvar vidas! 

“Trabalho na resposta a crises de refugiados há quase 40 anos e raramente vi um êxodo de pessoas tão rápido como este”, disse Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para Refugiados, ao Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a Ucrânia. “Os níveis de risco estão tão altos agora, que está cada vez mais difícil para os trabalhadores humanitários distribuir de forma sistemática a ajuda de que as pessoas deslocadas precisam desesperadamente.”

Com o apoio financeiro de indivíduos e empresas, o ACNUR está conseguindo oferecer ajuda a milhares de pessoas, mas pode fazer mais. “Podemos fazer mais para garantir sua proteção, facilitando seu registro, organizando a capacidade de acolhimento, prestando ajuda de emergência e assistência em dinheiro, identificando e respondendo às necessidades dos mais vulneráveis. Muitos deles são mulheres e crianças, incluindo um número crescente de crianças desacompanhadas e separadas de sua família”, afirmou.

Até o momento, todos os países vizinhos mantiveram suas fronteiras abertas para refugiados vindos da Ucrânia. A maioria se deslocou para Polônia, Hungria, Moldávia, Romênia, Eslováquia, enquanto outros buscam abrigo em outros países europeus. As autoridades nacionais estão assumindo a responsabilidade pelo registro, acolhimento, alojamento e proteção dessas pessoas refugiadas.

O ACNUR estimula os governos a manterem o acesso ao território para todos os que foram forçados a fugir para escapar da violência: ucranianos e outras pessoas que vivem na Ucrânia. A agência também reforça que não deve haver discriminação contra qualquer pessoa ou grupo.

ACNUR na Ucrânia

Desde 2014, a Agência da ONU para Refugiados atua na Ucrânia fornecendo itens essenciais de socorro e abrigo para as pessoas forçadas a se deslocar. Neste momento, o ACNUR está trabalhando com as autoridades, a ONU e outros parceiros na Ucrânia e nos países vizinhos para ampliar a assistência humanitária conforme necessário e para responder a qualquer situação de deslocamento forçado.

O ACNUR está acompanhando de perto a situação e reforçando suas operações na região, enviando mais recursos, funcionários e itens de socorro de acordo com a necessidade. Especialistas em bem-estar e proteção infantil do ACNUR também estão prontos para apoiar as autoridades nacionais.

Trabalhadores humanitários têm realizado visitas à fronteira com Polônia, Romênia, Moldávia e Hungria, conversando com autoridades governamentais em todos os países vizinhos e de prontidão para apoiar o acolhimento de pessoas refugiadas. Na Ucrânia, o ACNUR mantém estoques pré-posicionados de itens de socorro em vários locais, e a equipe segue pronta para permanecer na linha de frente e prestar apoio a quem precisa.



*Todos os artigos publicados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não expressam a linha editorial do portal e de seus editores.

Compartilhe este artigo
Por Ana Silva
Seguir:
"Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você. Cynthia Kersey Bem, isso resume meu 2022 :)